>TST: Inconstitucionalidade de norma não reverte reintegração de empregada da Bahiatur

Posted: Abril 20, 2011 in - Notícias, Direito do Trabalho

>A inconstitucionalidade declarada pelo Supremo Tribunal Federal de dispositivo da Constituição do Estado da Bahia que garantiu estabilidade a empregados da Empresa de Turismo da Bahia S.A. – BAHIATUR não autoriza sua demissão direta, sem a utilização dos meios judiciais cabíveis. De acordo com julgamento da Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho, esse procedimento seria uma “ofensa à coisa julgada”.

No caso julgado, a trabalhadora, demitida em 1990, conseguiu reintegração por meio de decisão judicial baseada no artigo. 1º das Disposições Transitórias da Constituição do Estado da Bahia, que assegurou a estabilidade aos empregados das empresas públicas e sociedades de economia mista do Estado que contassem com cinco anos de serviço na data da promulgação da Constituição Federal de 1988. Na ocasião, ela recebeu o valor referente aos salários do período em que esteve afastada.

Em 1995, após decisão que do STF que declarou inconstitucional esse dispositivo da constituição baiana, a BAHIATUR demitiu novamente a empregada. Em resposta, ela pediu o desarquivamento do processo anterior na Vara do Trabalho e o reinício da execução, por entender que a nova demissão violava a coisa julgada constituída pela primeira decisão.

Em sua defesa, a BAHIATUR apresentou a decisão do STF sobre a inconstitucionalidade do artigo que garantia a estabilidade. O juiz de primeiro grau determinou a extinção da execução, com o entendimento de que a estabilidade não existiria mais após o julgamento do Supremo. Inconformada, a ex-empregada interpôs agravo de petição, negado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA), sob o fundamento de que a coisa julgada constituída pela decisão do processo que lhe deu estabilidade só considerava nula a primeira demissão, e não a segunda.

No TST, a Segunda Turma não conheceu de novo recurso da trabalhadora por não constatar nenhuma violação constitucional na decisão do Tribunal Regional, pois a sentença proferida no processo em questão visava declarar apenas a nulidade da demissão ocorrida em 1990.
SDI-1

No último julgamento, de embargos em recurso de revista, o relator, ministro João Batista Brito Pereira, votou pela manutenção das decisões anteriores, mas ficou vencido. A maioria dos ministros seguiu a divergência aberta pelo ministro Vieira de Mello Filho.

De acordo com Vieira de Mello, se havia decisão transitada em julgado assegurando a estabilidade no emprego, “que não era provisória, mas definitiva”, a empresa não poderia demitir novamente a empregada sem “a manifestação do Poder Judiciário pelos instrumentos processuais próprios”. Para ele, a trabalhadora estava protegida pelo “manto da coisa julgada”.

Por maioria, portanto, a SDI-1 determinou a execução das parcelas vincendas, referentes à remuneração mensal da empregada, da demissão até a data em que o juiz de primeiro grau extinguiu a execução, em 08/11/1996, que marca o reconhecimento judicial do reflexo da decisão do STF na primeira decisão transitada em julgado.

(Augusto Fontenele/CF)

Processo: RR – 596276-05.1999.5.05.0015 – Fase Atual: E

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s