>TST: Troca de favores entre parte e testemunha invalida depoimento

Posted: Abril 20, 2011 in - Notícias, Direito do Trabalho

>Na última sessão de julgamento, realizada no dia 16, a Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho deu provimento a recurso do Hotel Del Rey Ltda., de Curitiba (PR), e invalidou o testemunho de uma empregada em favor de outra que reclamava judicialmente os mesmos direitos relativos a horas extras. Houve “troca de favores”, sustentou a empresa.

Segundo o ministro Renato de Lacerda Paiva, relator do processo e presidente da Segunda Turma, não foi possível dar ao caso o enquadramento da Súmula nº 357 do TST, segundo a qual o fato de a testemunha estar propondo reclamação trabalhista contra a empresa não a torna suspeita. No seu entendimento, ficou evidente a troca de favores entre as duas trabalhadoras, uma vez que a “testemunha propôs ação contra o empregador com o mesmo objeto e se utiliza da colega como sua testemunha”.

O relator esclareceu que essa situação foi claramente registrada pelo Tribunal Regional da 9ª Região (TRT/PR) e lembrou que a jurisprudência do Tribunal apenas sinaliza no sentido da não suspeição da testemunha que litiga contra o mesmo empregador: não se pode dizer, com isso, que ela não seja suspeita, conforme o caso concreto, afirmou.

Divergência

O ministro José Roberto Freire Pimenta ficou vencido. Para ele, o fato de dois trabalhadores ajuizarem ações contra o mesmo empregador, com pedidos idênticos, e um testemunhar no processo do outro não os torna, a priori, suspeitos. “A Súmula 357 sinaliza em sentido contrário”, afirma. “Não se pode aceitar passivamente a situação, mas o caso é de valoração da prova, e não de impossibilidade”, assinalou. O ministro citou como exemplo prático os casos de lesões coletivas ou repetitivas, em que todos os empregados de uma empresa são atingidos. “Nesses casos, como é que cada um, em sua reclamação individual, vai fazer para provar? Se considerarmos todos automaticamente suspeitos, estaremos inviabilizando o acesso à Justiça”, concluiu.

A ministra Dora Maria da Costa, que na semana passada compôs excepcionalmente o quorum da Segunda Turma, devido à ausência justificada do ministro Caputo Bastos, seguiu o entendimento do ministro Renato de Lacerda Paiva. Ao final, prevaleceu o voto do relator, que declarou a invalidade do depoimento da testemunha, com a ressalva de que ele não interferiu no resultado da decisão, pois o TRT/PR baseou-se no contexto probatório apresentado nos autos, e não apenas naquele depoimento.

(Mário Correia)

Processo: RR-1696300-90.2005.5.09.0006

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s